Satanistas britânicos são condenados por abuso sexual de menores

09-03-2011 19:52

Líder do grupo foi culpado por 35 crimes, incluindo estupro; sentenças serão anunciadas na sexta-feira.

Colin Batley criava comercialmente cães da raça rottveiler

Quatro britânicos, supostamente integrantes de um culto satânico, foram nesta quarta-feira considerados culpados de mais de 40 crimes sexuais contra jovens, incluindo menores de idade.

Colin Batley, de 48 anos, tido como o líder do grupo, foi considerado culpado de 35 dos crimes, incluindo estupros. Sua esposa, Elaine, e outras duas mulheres também foram condenadas.

Durante as cinco semanas de julgamento na cidade de Swansea (sul da Grã-Bretanha), muitas testemunhas, atualmente adultos, deram detalhes dos abusos que sofreram, ocorridos quando ainda eram crianças e adolescentes.

Os crimes sexuais teriam ocorrido ao longo de décadas na cidade de Kidwelly, perto de Swansea, e eram muitas vezes relacionados com aparentes rituais.

A Justiça deve anunciar as sentenças dos condenados na próxima sexta-feira.

Crowley

No julgamento, Batley e as outras acusadas afirmaram que o culto satânico nunca existiu, mas o júri não acreditou nesta versão.

Uma das vítimas afirmou aos jurados que, ao engravidar quando adolescente, ouviu de Batley que sua criança seria fruto do oculto e ameaçou matá-la se ela revelasse o que sabia sobre o grupo, de acordo com a imprensa local.

Batley foi detido em sua casa na cidade de Kidwelly, local onde ocorriam os supostos rituais, no ano passado. No local, a polícia encontrou material satânico e sobre deidades egípcias.

O júri do caso ouviu que o líder criava comercialmente cães da raça rottweiler e mantinha dois animais para segurança própria. Ele mantinha ainda gatos batizados com nomes relacionados com o ocultismo.

Muitas das vítimas disseram que eram obrigadas a usar crucifixos de cabeça para baixo e ter em suas casas uma cópia do Livro da Lei (Book of Law, em inglês), obra do famoso ocultista inglês Aleister Crowley, escrita no Cairo no começo do século 20.

 

Fonte: http://www.estadao.com.br