Santificação (Tornar-se Semelhante a Cristo)

28-10-2011 14:28

Os capítulos anteriores abordaram os diversos atos de Deus que ocorrem no começo de nossa vida cristã: o chamado do evangelho (pelo qual Deus se dirige a nós), a regeneração (por intermédio da qual Deus nos concede vida nova), a justificação (por meio da qual Deus nos dá o direito legal de estar diante dele) e a adoção (pela qual Deus nos torna membros de sua família). Também discutimos a conversão (quando nos arrependemos dos pecados e confiamos em Cristo para receber a salvação). Todos esses eventos ocorrem no começo de nossa vida cristã. 

 

A. Diferenças entre a justificação e a santificação

A tabela seguinte especifica diversas diferenças entre a justificação e a santificação:

Justificação

Posição legal

De uma vez por todas

Obra inteiramente de Deus

Perfeita nesta vida

A mesma em todos os cristãos

Santificação

Condição interna

Continua por toda a vida

Nós cooperamos

Não perfeita nesta vida

Maior em alguns do que em outros         

Como essa lista indica, a santificação é algo que continua por toda nossa vida cristã. O curso normal da vida do cristão envolve contínuo crescimento na santificação, e essa é uma questão para a qual o Novo Testamento nos encoraja a dar atenção e por ela demonstrar zelo.

 

B. Os três estágios da santificação

1. A santificação tem um começo definido na regeneração.

Uma mudança moral definida ocorre em nossa vida no momento da regeneração, porque Paulo fala sobre o “o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo” (Tt 3.5). Uma vez nascidos de novo não podemos continuar pecando como um hábito ou como um padrão de vida (1Jo 3.9), porque o poder da nova vida espiritual em nós impede-nos de render-nos a uma vida de pecados.

2. A santificação aumenta por toda a vida.

Ainda que o Novo Testamento fale sobre um começo definido da santificação, também a vê como um processo que continua por toda nossa vida cristã. Geralmente esse é o sentido principal com que o termo santificação é usado na teologia sistemática e nas conversas cristãs de hoje.  Embora Paulo diga que seus leitores foram libertados do pecado (Rm 6.18) e que estão “mortos para o pecado, mas vivos para Deus” (Rm 6.11), ele todavia reconhece que o pecado permanece na vida deles; por essa razão, aconselha-os a não deixá-lo reinar e a nem se renderem a ele (Rm 6.12-13).

3. A santificação se completará na morte (em nossa alma) e quando o Senhor retornar (em nosso corpo).

Por causa do pecado que ainda permanece em nosso coração, embora tendo-nos tornado cristãos (Rm 6.12-13; 1Jo 1.18), nossa santificação nunca se completará nesta vida (veja abaixo). Mas uma vez que morramos e estejamos com o Senhor, então nossa santificação se completa nesse sentido, porque nossa alma é libertada do pecado que habita em nós aperfeiçoada. O autor de Hebreus diz que quando chegamos à presença de Deus para adorar, chegamos “aos espíritos dos justos aperfeiçoados” (Hb 12.23). Isso é bem apropriado, porque prevê o fato de que “nunca jamais penetrará coisa alguma contaminada” na presença de Deus, a cidade celestial (Ap 21.27).

4. A santificação nunca se completará nesta vida.

Sempre houve na história da igreja quem tomasse mandamentos como Mateus 5.48 (“Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste”) ou 2Coríntios 7.1 (“purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus”) e raciocine que, visto que Deus nos dá esses mandamentos, ele deve-nos dar também a capacidade de obedecer perfeitamente. Portanto, concluem, é-nos possível alcançar um estado de perfeição sem pecado nesta vida. Além disso, eles apontam para a oração de Paulo pelos tessalonicenses, “o mesmo Deus da paz vos santifique em tudo” (1Ts 5.23), e inferem que a oração de Paulo pode bem ter sido cumprida por alguns cristãos tessalonicenses. De fato, João igualmente diz: “Todo aquele que permanece nele não vive pecando” (1Jo 3.6)! Não indicam esses versículos a possibilidade da perfeição sem pecado na vida de alguns cristãos? Nesta discussão usarei o termo perfeccionismo para referir-me a essa visão de que a perfeição sem pecado é possível nesta vida.

 

C. Deus e o homem cooperam na santificação

Alguns (tais como John Murray) recusam-se a dizer que Deus e o homem “cooperam” na santificação, porque eles querem insistir que a obra de Deus é fundamental e nossa obra na santificação é apenas algo secundário (veja Fp 2.12-13). Entretanto, se expusermos claramente a natureza do papel de Deus e do nosso papel na santificação, não parece impróprio dizer que Deus e o homem cooperam na santificação. Deus atua na nossa santificação e nós também, tudo com o mesmo propósito.

1. A papel de Deus na santificação.

Visto que a santificação é principalmente uma obra de Deus, a oração de Paulo torna-se apropriada: “O mesmo Deus da paz vos santifique em tudo” (1Ts 5.23). Um papel específico de Deus Pai na santificação é seu processo de nos disciplinar como seus filhos (veja Hb 12.5-11). Paulo diz aos filipenses que “Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade” (Fp 2.13), mostrando assim um pouco da maneira como Deus os santifica – tanto causando neles o querer sua vontade como dando-lhes poder para fazê-la. O autor de Hebreus fala sobre o papel do Pai e sobre o papel do Filho numa bênção conhecida: “Ora, o Deus da paz [...] vos aperfeiçoe em todo o bem, para cumprirdes a sua vontade, operando em vós o que é agradável diante dele, por Jesus Cristo, a quem seja a glória para todo o sempre” (Hb 13.20-21).

2. O nosso papel na santificação.

O papel que desempenhamos na santificação é tanto passivo, pelo qual dependemos de que Deus nos santifique, como ativo, pelo qual nos esforçamos para obedecer a Deus e dar os passos que aumentarão a nossa santificação. Podemos considerar agora os dois aspectos de nosso papel na santificação.

Primeiro, aquele que pode ser chamado papel “passivo” que desempenhamos na santificação é visto em textos que nos encorajam a confiar em Deus ou a orar pedindo que ele nos santifique. Paulo fala a seus leitores romanos: “Oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos” (Rm 6.13; cf. v. 19), e também: “... apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus” (Rm 12.1). Paulo compreende que somos dependentes da obra do Espírito Santo para crescer na santificação, porque ele diz: “Se, pelo Espírito, mortificardes os feitos do corpo, certamente, vivereis” (Rm 8.13).

 

D. A santificação afeta a pessoa como um todo

Percebemos que a santificação afeta nosso intelecto e nosso conhecimento quando Paulo diz que nos revestimos do novo homem “que se refaz para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou” (Cl 3.10). Ele ora para que os filipenses possam ver seu próprio amor aumentando “mais e mais em pleno conhecimento e toda a percepção” (Fp 1.9). E roga aos cristãos romanos que se transformem “pela renovação da vossa mente” (Rm 12.2). Embora nosso conhecimento de Deus seja mais do que conhecimento intelectual, há certamente um componente intelectual nele, e Paulo diz que esse conhecimento de Deus deve continuar aumentando durante nossa vida: uma vida “de modo digno do Senhor, para o seu inteiro agrado” é uma vida que está continuamente “crescendo no pleno conhecimento de Deus” (Cl 1.10).

 

E. Motivos para a obediência a Deus na vida cristã

Os cristãos às vezes deixam de reconhecer o alcance dos motivos para a obediência a Deus encontrados no Novo Testamento. (1) É verdade que o desejo de agradar a Deus e de expressar nosso amor por ele é um motivo muito importante para a obediência; Jesus diz: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos” (Jo 14.15), e: “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama” (Jo 14.21; cf. 1Jo 5.3). Mas muitos outros motivos nos são dados também: (2) a necessidade de manter uma consciência limpa diante de Deus (Rm 13.5; 1Tm 1.5, 19; 2Tm 1.3; 1Pe 3.16); (3) o desejo de ser um “utensílio para honra” e ter a eficiência aumentada na obra do reino (2Tm 2.20-21); (4) o desejo de ver os incrédulos vindo a Cristo por terem observado nossa vida (1Pe 3.1-2, 15-16); (5) o desejo de receber as bênçãos atuais de Deus sobre nossa vida e ministério (1Pe 3.9-12); (6) o desejo de evitar o desprazer e a disciplina de Deus sobre nós (às vezes chamado “temor de Deus”; At 5.11; 9.31; 2Co 5.11; 7.1; Ef 4.30; Fp 2.12; 1Tm 5.20; Hb 12.3-11; 1Pe 1.17; 2.17; cf. a condição dos incrédulos em Rm 3.8); (7) o desejo de buscar maior galardão celestial (Mt 6.19-21; Lc 19.17-19; 1Co 3.12-15; 2Co 5.9-10);17  (8) o anseio por um andar mais próximo de Deus (Mt 5.8; Jo 14.21; 1Jo 1.6; 3.21-22; e, no Antigo Testamento, Sl 66.18; Is 59.2); (9) o desejo de que os anjos glorifiquem a Deus por causa da nossa obediência (1Tm 5.21; 1Pe 1.12); (10) o desejo de paz (Fp 4.9) e alegria (Hb 12.1-2) em nossa vida; e (11) o anseio de fazer o que Deus ordena, simplesmente porque seus mandamentos são corretos, e nós nos deleitamos em fazer o que é correto (Fp 4.8; cf. Sl 40.8).

 

F. A beleza e a alegria da santificação

Não seria correto terminar nossa discussão sem observar que a santificação nos traz alegria. Quanto mais crescemos à semelhança de Cristo, tanto mais experimentamos a “alegria” e a “paz” que são parte do fruto do Espírito Santo (Gl 5.22) e tanto mais nos aproximamos do tipo de vida que teremos no céu. Paulo diz que à medida que nos tornamos cada vez mais obedientes a Deus, temos o nosso “fruto para a santificação e, por fim, a vida eterna” (Rm 6.22).