Pastor é assassinado a tiros na Nigéria

15-06-2011 23:56

NIGÉRIA

Extremistas muçulmanos da seita Boko Haram, na terça-feira, 7 de junho, atiraram contra uma igreja no norte da Nigéria.

O reverendo David Usman, de 45 anos, e seu secretário, Hamman Andrew, foram as últimas vítimas de uma onda de ataques feitos pela militância islâmica Boko Haram, que tomou conta do norte da Nigéria este ano. O resultado dos ataques foi a destruição de igrejas, com morte e mutilação de cristãos.

O reverendo Tito Dama Pona, pastor da Igreja Evangélica Vencendo Tudo (ECWA) em Maiduguri, disse que o pastor Usman foi morto e baleado por membros da Boko Haram, em um bairro ferroviário próximo da igreja que Usman liderava.

Pona disse que os cristãos em Maiduguri estão com medo, por causa dessa onda de violência atribuída aos membros da Boko Haram, que desejam impor a sharia (lei islâmica) no norte da África.

“Os cristãos se tornaram alvos desses militantes muçulmanos e já não se sentem livres circulando pela cidade; a maioria das igrejas não realiza seus cultos, com medo de se tornar alvo dos ataques que estão ocorrendo”, disse Pona.

Pessoas confirmaram a morte do Pastor Usman. O reverendo Logan Gongchi disse que todos os cristãos da região, inclusive o próprio Gongchi, que fez seu seminário teológico com Usman, confirmaram isso.

De acordo com Gongchi, o pastor Usman se queixou uma vez das atividades da Boko Haram, dizendo que o governo nigeriano deveria enfrentar o grupo extremista, que mata muitas pessoas inocentes. Usman pediu que orassem por ele, pois não sabia como seria o fim desse conflito com os extremistas muçulmanos.

A morte do pastor marcou o segundo ataque contra a igreja e suas instalações feito por militantes muçulmanos. O primeiro ataque foi em 29 de julho de 2009, quando a Boko Haram queimou o prédio da igreja e matou alguns membros da congregação.

O significado do nome Boko Haram é interpretado no sentido figurado como “contra a educação ocidental”. Alguns acreditam que isso tem como significado ir contra a fé judaico-cristã. O desejo desse grupo é que a Nigéria se torne um Estado teocrático islâmico.

 

Fonte: Compass Direct