Os Dons do Espírito Santo:

29-10-2011 17:18

(1) Perguntas Gerais

A. Perguntas relacionadas aos dons espirituais em geral

Nas gerações passadas, os livros de teologia sistemática não tinham capítulos sobre dons espirituais, pois havia poucas perguntas relacionadas à natureza e ao uso dos dons espirituais na igreja. Mas o século XX tem visto um notável crescimento do interesse pelos dons espirituais, principalmente por causa da influência dos movimentos pentecostais e carismáticos dentro da igreja. Neste capítulo vamos examinar primeiro algumas perguntas genéricas relacionadas a dons espirituais e, depois, estudar de forma mais específica se alguns dons (miraculosos) teriam desaparecido. No próximo capítulo, vamos analisar o ensino do Novo Testamento sobre dons específicos.

1. Dons espirituais na história da redenção.

Com certeza o Espírito Santo agia no Antigo Testamento, conduzindo as pessoas à fé e atuando de maneira notável em alguns poucos indivíduos como Moisés e Samuel, Davi e Elias. Mas em geral havia atividade menos poderosa do Espírito Santo na vida da maioria dos crentes. A evangelização eficaz das nações havia sido reduzida, a expulsão de demônios era desconhecida, as curas miraculosas eram incomuns (embora tenham acontecido de modo especial no ministério de Elias e Eliseu), a profecia era restrita a poucos profetas ou a pequenos grupos de profetas, e o “poder da ressurreição” sobre o pecado no sentido de Romanos 6.1-14 e Filipenses 3.10 era raramente experimentado.

2. O propósito dos dons espirituais na era do Novo Testamento.

Os dons espirituais são dados para equipar a igreja a fim de que ela desenvolva seu ministério até que Cristo volte. Paulo diz aos coríntios: “não lhes falta nenhum dom espiritual, enquanto vocês aguardam que o nosso Senhor Jesus Cristo seja revelado” (1Co 1.7 nvi). Aqui ele relaciona a posse dos dons espirituais e a situação deles na história da redenção (aguardando o retorno de Cristo), dando a entender que os dons são dados à igreja para o período entre a ascensão de Cristo e sua volta. De maneira semelhante, Paulo olha adiante para o tempo da volta de Cristo e diz “quando, porém, vier o que é perfeito, então, o que é em parte será aniquilado” (1Co 13.10), dando a entender também que esses dons “imperfeitos”(mencionados nos v. 8-9) estarão em operação até a volta de Cristo, ocasião em que serão superados por algo muito maior.

3. Quantos dons existem?

As cartas do Novo Testamento alistam dons espirituais específicos em seis passagens. Veja adiante a tabela.

É óbvio que essas listas são todas bem diferentes. Nenhuma lista tem todos os dons, e nenhum dom exceto a profecia é mencionado em todas as listas (a profecia não é mencionada em 1Co 7.7, em que apenas o assunto do casamento e celibato está em discussão, mas com certeza está incluída na frase “se alguém fala” de 1Pe 4.11). Na realidade, 1Coríntios 7.7 menciona dois dons que não se encontram em nenhuma outra lista: no contexto em que fala de casamento e celibato, Paulo diz: “... cada um tem de Deus o seu próprio dom;6  um, na verdade, de um modo; outro, de outro”.

4. Os dons podem variar quanto ao poder.

Paulo diz que se temos o dom da profecia, devemos usá-lo “segundo a proporção da fé” (Rm 12.6), dando a entender que o dom pode ser desenvolvido com mais força ou com menos força em diferentes indivíduos, ou no mesmo indivíduo durante um tempo. É por isso que Paulo podia lembrar a Timóteo: “... não te faças negligente para com o dom que há em ti” (1Tm 4.14), e dizer- lhe: “... admoesto que reavives o dom de Deus que há em ti” (2Tm 1.6). Era possível Timóteo deixar seu dom enfraquecer, aparentemente pelo pouco uso, e Paulo lembra-lhe que devia avivá-lo, mediante uso e conseqüente fortalecimento.

5. Os cristãos possuem os dons por um tempo ou de modo permanente?

Na maioria dos casos, parece que o Novo Testamento descreve uma posse permanente dos dons espirituais. Encaixa-se a isso a analogia das partes do corpo em 1 Coríntios 12.12-26, segundo a qual o olho não se transforma em mão, nem o ouvido se torna um pé, mas vários membros existem no corpo permanentemente. Além disso, Paulo diz que algumas pessoas têm títulos que descrevem uma função contínua. Da pergunta se os dons espirituais são temporários ou permanentes, às vezes é mencionado Romanos 11:29: “...porque os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis”. Entretanto, não parece apropriado usar o versículo no contexto desta discussão, pois naquele caso Paulo está falando acerca da condição do povo judeu, incluindo seu chamado como povo de Deus e os dons ou bênçãos concedidos a ele como resultado dessa condição.

6. Os dons são miraculosos ou não miraculosos?

A resposta a essa pergunta realmente depende da definição da palavra milagre. Se definimos milagre como “uma atividade direta de Deus no mundo”, então todos os dons espirituais são miraculosos porque eles são todos potencializados pelo Espírito Santo (1Co 12.11; cf. v. 4-6). Mas nesse sentido tudo o que acontece no mundo poderia ser considerado miraculoso, porque tudo se realiza pela obra providencial de Deus na criação (veja Ef 1.11; Dn 4.35; Mt 5.45). Portanto, a palavra milagre perde sua utilidade, pois é difícil encontrar algo que acontece no mundo que não seja miraculoso nesse sentido.

7. Descobrindo e buscando os dons espirituais.

Paulo parece dar por certo que os crentes sabem quais são seus dons espirituais. Ele simplesmente diz aos da igreja de Roma que usem seus dons de várias maneiras: “... se profecia, seja segundo a proporção da fé [...] o que contribui, com liberalidade; o que preside, com diligência; quem exerce misericórdia, com alegria” (Rm 12.6-8). De modo semelhante, Pedro simplesmente diz aos leitores como usar seus dons e não diz nada sobre como descobrir quais são eles: “Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus” (1Pe 4.10).

8. Os dons são ferramentas para o ministério e não se relacionam necessariamente com a maturidade cristã.

Devemos reconhecer que os dons espirituais são dados a todo crente (1Co 12.7, 11; 1Pe 4.10). Mesmo os cristãos imaturos recebem dons espirituais do Senhor — isso com certeza era evidente na igreja de Corinto, que tinha uma abundância de dons espirituais (1Co 1.7), mas ainda era muito imatura em muitas áreas de doutrina e conduta. Paulo diz: “Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais, como a crianças em Cristo” (1Co 3.1). Portanto, dons espirituais não são necessariamente sinais de maturidade espiritual. É possível ter dons espirituais notáveis em uma área ou outra, mas mesmo assim ser bem imaturo no entendimento doutrinário ou na conduta cristã, como era o caso em Corinto. Na verdade, eventualmente mesmo os incrédulos são capazes de profetizar, expulsar demônios e fazer milagres, pois Jesus diz que no último dia muitos lhe dirão: “Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres?”. Mas Jesus lhes responderá: “... nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade” (Mt 7.22-23). Não é que Jesus os tenha conhecido uma vez e mais tarde não os conhecia mais; ele diz: “... nunca vos conheci”. Eles nunca foram cristãos, apesar de terem realizado muitas obras notáveis. Portanto, não devemos avaliar maturidade espiritual com base nos dons espirituais. A maturidade vem quando se anda perto de Jesus, e resulta em obediência às suas ordens na vida diária: “... aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou” (1Jo 2.6).

 

B. Teriam alguns dons desaparecido? O debate cessacionista

No mundo evangélico hoje há diferentes posições quanto à seguinte pergunta: “Todos os dons mencionados no Novo Testamento são válidos hoje para serem usados na igreja?”. Alguns diriam sim. Outros diriam não e argumentariam que alguns dons mais miraculosos (tais como profecia, línguas e interpretação, e talvez cura e expulsão de demônios) foram dados somente durante a era apostólica, como “sinais” para credenciar os apóstolos durante o estágio inicial de pregação do evangelho. Afirmam que esses dons não são mais necessários hoje como sinais e cessaram no final da era apostólica, provavelmente no final do primeiro século d.C. ou começo do segundo.

 

Os Dons do Espírito Santo

(2) Dons Específicos

Neste capítulo vamos basear-nos na discussão geral acerca dos dons espirituais do capítulo anterior e examinar alguns dons específicos com mais detalhes. Não vamos considerar todos os dons mencionados no Novo Testamento, mas nos concentraremos em alguns dons não bem compreendidos ou naqueles cujo emprego têm gerado alguma polêmica no presente. Portanto, não examinaremos dons cujo significado e uso são evidentes pelo próprio termo implicado (como serviço, exortação, contribuição, liderança ou misericórdia); antes, vamos nos concentrar nos dons da seguinte lista, extraídos basicamente de 1Coríntios 12.28 e 12.8-10:

1.   Profecia

2.   Ensino

3.   Milagres

4.   Cura

5.   Línguas e interpretação

6.   Palavra da sabedoria / palavra do conhecimento

7.   Discernimento de espíritos