O Novo Céu e a Nova Terra

29-10-2011 18:13

A. Viveremos eternamente com Deus no novo céu e na nova terra

Após o juízo final, os crentes entrarão para sempre no pleno gozo da vida na presença de Deus. Jesus nos dirá: “Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo” (Mt 25.34). Entraremos em um reino onde “nunca mais haverá qualquer maldição. Nela [na nova Jerusalém], estará o trono de Deus e do Cordeiro. Os seus servos o servirão” (Ap 22.3).

1. Que é o céu?

Na era presente, o lugar em que Deus habita é freqüentemente chamado “céu” nas Escrituras. O Senhor diz “o céu é o meu trono” (Is 66.1) e Jesus nos ensina a orar “Pai nosso, que estás nos céus” (Mt 6.9). Jesus agora, “depois de ir para o céu, está à destra de Deus” (1Pe 3.22). De fato, o céu pode ser definido da seguinte maneira: Céu é o lugar em que Deus torna conhecida da forma mais completa a sua presença para abençoar.

Discutimos anteriormente como Deus está presente em todos os lugares,  mas como ele manifesta sua presença de maneira especial em certos lugares para abençoar. A maior manifestação da presença de Deus para abençoar é vista no céu, onde ele faz sua glória conhecida e é adorado pelos anjos, por outras criaturas celestiais e pelos santos redimidos.

2. O céu é um lugar, não apenas um estado mental.

Mas talvez alguém fique tentando imaginar como o céu poderia ser unido à terra. Sem dúvida, a terra é um lugar que existe em certo local em nosso universo situado no espaço e no tempo, mas pode-se pensar também no céu como um lugar passível de ser ligado à terra?

Fora do mundo evangélico, em geral nega-se a idéia do céu como um lugar, principalmente porque sua existência pode ser conhecida apenas a partir do testemunho das Escrituras. Recentemente, mesmo alguns estudiosos evangélicos têm hesitado em afirmar o fato de que o céu é um lugar. Será que o fato de sabermos do céu apenas pela Bíblia e de não podermos dar nenhuma prova empírica dele deve ser razão para não acreditar que o céu é um lugar real?

3. A criação física será renovada e continuaremos a existir e atuar nela.

Além de um céu renovado, Deus fará uma “nova terra” (2Pe 3.13; Ap 21.1). Várias passagens indicam que a criação física será renovada de forma expressiva. “A ardente expectativa da criação aguarda a revelação dos filhos de Deus. Pois a criação está sujeita à vaidade, não voluntariamente, mas por causa daquele que a sujeitou, na esperança de que a própria criação será redimida do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus” (Rm 8.19-21).

4. Nosso corpo ressurreto fará parte da nova criação.

No novo céu e na nova terra, haverá lugar e atividades para nosso corpo ressurreto, que nunca envelhecerá nem se enfraquecerá nem adoecerá. Uma forte consideração a favor desse ponto de vista é o fato de que Deus fez a criação física original muito boa (Gn 1.31). Não há, portanto, nada inerentemente pecaminoso ou mau ou “não espiritual” no mundo físico que Deus fez ou nas criaturas que colocou nele, ou ainda no corpo físico que nos deu na criação. Embora todas essas coisas tenham sido desfiguradas e distorcidas pelo pecado, Deus não destruirá o mundo físico por completo (o que seria reconhecimento de que o pecado frustrou e venceu os propósitos de Deus); antes, aperfeiçoará toda a criação e a colocará em harmonia com os propósitos para os quais ele a criou originariamente.

5. A nova criação não será “atemporal” mas incluirá uma sucessão infinita de momentos.

Embora certo hino popular fale da hora em que “a trombeta do Senhor soará e não existirá mais tempo”, as Escrituras não dá apoio a essa idéia. Certamente a cidade celestial que recebe sua luz da glória de Deus (Ap 21.23) nunca experimentará escuridão ou noite: “... nela não haverá noite” (Ap 21.25). Mas isso não significa que o céu será um lugar em que o tempo será desconhecido, ou onde as coisas não possam ser feitas uma após outra.

 

B. A doutrina da nova criação dá grande motivação para acumular tesouros no céu e não na terra

Quando consideramos o fato de que a presente criação é temporária e que nossa vida na nova criação durará por toda a eternidade, temos uma forte motivação para viver de maneira piedosa, acumulando tesouros no céu. Refletindo sobre o fato de que o céu e a terra serão destruídos,

 

C. A nova criação será um lugar de grande beleza, abundância e alegria na presença de Deus

Em meio a todas as perguntas que fazemos naturalmente a respeito do novo céu e da nova terra, não devemos perder de vista o fato de que as Escrituras retratam de maneira coerente essa nova criação como lugar de grande beleza e alegria. Na descrição do céu em Apocalipse 21 e 22, esse tema é afirmado repetidas vezes. É a “cidade santa” (21.2), um lugar preparado “como noiva adornada para o seu esposo” (21.2).