C. O papel dos anjos nos desígnios divinos

23-10-2011 18:23

1. Os anjos revelam a grandeza do amor e dos desígnios de Deus para nós.

Os homens e os anjos (empregando o termo num sentido amplo) são as únicas criaturas morais e altamente inteligentes que Deus criou. Portanto é possível compreender muito sobre os desígnios e o amor de Deus por nós quando nos comparamos aos anjos.
A primeira distinção a reparar é que jamais se diz que os anjos foram criados “à imagem de Deus”, enquanto várias vezes se afirma que os homens foram feitos à imagem do Criador (Gn 1.26-27; 9.6). Como ser à imagem de Deus significa ser semelhante a Deus, parece certo concluir que somos ainda mais semelhantes a Deus do que os anjos.

2. Os anjos nos fazem lembrar que o mundo invisível é real.

Assim como os saduceus no tempo de Jesus diziam “não haver ressurreição, nem anjo, nem espírito” (At 23.8), também muitos nossos contemporâneos negam a realidade de qualquer coisa que não se possa ver. Mas o ensino bíblico sobre a existência dos anjos é para nós constante lembrança de que existe um mundo invisível bastante real. Só quando o Senhor abriu os olhos do servo de Eliseu à realidade desse mundo invisível é que o servo viu que “o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu” (2Rs 6.17; um grande exército de anjos enviado a Dotã para proteger Eliseu dos siros). O salmista também demonstra consciência do mundo invisível ao encorajar os anjos: “Louvai-o, todos os seus anjos; louvai-o, todas as suas legiões celestes” (Sl 148.2).

3. Os anjos são exemplos para nós.

Tanto na sua obediência quanto na sua adoração, os anjos nos dão belos exemplos a imitar. Jesus nos ensina a orar, dizendo: “Faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mt 6.10). No céu a vontade de Deus é feita pelos anjos — imediata e alegremente, sem questionamentos. Devemos orar diariamente para que nossa obediência e a obediência dos outros seja como a dos anjos no céu. Seu prazer é viver como humildes servos de Deus, cada qual desempenhando fiel e alegremente as suas tarefas, grandes ou pequenas. Devemos desejar e orar para que nós e os outros façamos o mesmo na terra.

4. Os anjos executam alguns dos desígnios de Deus.

As Escrituras retratam os anjos como servos de Deus que executam alguns dos seus desígnios na terra. Eles levam as mensagens de Deus às pessoas (Lc 1.11-19; At 8.26; 10.3-8, 22; 27.23-24). Executam alguns dos juízos de Deus: semeiam uma peste em Israel (2Sm 24.16-17), castigam os líderes do exército assírio (2Co 32.21), ferem de morte o rei Herodes por não ter ele rendido glórias a Deus (At 12.23) e derramam as taças da ira de Deus sobre a terra (Ap 16.1). Quando Cristo voltar, os anjos o ladearão como um grande exército acompanhando seu Rei e Senhor (Mt 16.27; Lc 9.26; 2Ts 1.7).

5. Os anjos glorificam diretamente a Deus.

Os anjos também cumprem outra função: servem diretamente a Deus, glorificando-o. Assim, além dos seres humanos, há no universo outras criaturas inteligentes e morais que glorificam a Deus.

 

Grudem, Wayne; Teologia Sistemática; Edições Vida Nova; São Paulo