Adoção (Filiação na Família de Deus)

28-10-2011 14:29

Na regeneração Deus nos dá uma nova vida espiritual interior. Na justificação dá-nos o direito legal de estar diante dele. Mas na adoção Deus nos faz membros de sua família. Portanto, o ensino bíblico sobre a adoção concentra-se muito mais na comunhão pessoal com Deus e com o seu povo que a salvação nos dá.

 

A. Evidências bíblicas da adoção

Podemos definir adoção da seguinte maneira: adoção é um ato de Deus por meio do qual ele nos faz membros de sua família.

João menciona a adoção no começo do seu evangelho, em que diz: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome” (Jo 1.12). Em contraste com isso, aqueles que não crêem em Cristo não são filhos de Deus nem adotados na sua família, mas são “filhos da ira” (Ef 2.3) e “filhos da desobediência” (Ef 2.2; 5.6).

 

B. A adoção segue a conversão e é resultado da fé salvífica

Podemos inicialmente pensar que nos tornaríamos filhos de Deus pela regeneração, visto que a imagem de ser “nascido de novo” na regeneração faz-nos pensar a respeito de filhos nascidos numa família humana. Mas o Novo Testamento nunca associa a adoção com a regeneração: de fato a idéia de adoção é oposta à idéia de ser nascido em uma família!

 

C. A adoção é algo distinto da justificação

Embora a adoção seja um privilégio que vem a nós ao mesmo tempo em que nos tornamos cristãos (Jo 1.12; Gl 3.26; 1Jo 3.1-2) é, contudo, um privilégio distinto da justificação e da regeneração. Na regeneração tornamo-nos espiritualmente vivos, capazes de falar com Deus em oração e adoração e capazes de ouvir sua Palavra com coração receptivo. Porém, é possível que Deus tenha criaturas espiritualmente vivas e que, contudo, não são membros de sua família e não compartilham os privilégios especiais de membros da família – os anjos, por exemplo, aparentemente se enquadram nessa categoria.3  Portanto, teria sido possível para Deus decidir dar-nos regeneração sem o grande privilégio da adoção na sua família.

 

D. Os privilégios da adoção

Os benefícios ou privilégios que acompanham a adoção são vistos primeiramente no modo como Deus se refere a nós e também no modo como nós nos referimos uns aos outros como irmãos e irmãs na família de Deus.

Um dos maiores privilégios da nossa adoção é a possibilidade de falar com Deus e de nos referirmos a ele como um Pai bom e amoroso. Nós oramos: “Pai nosso, que estás nos céus” (Mt 6.9), e compreendemos que “já não somos escravos, porém filhos” (Gl 6.7). Portanto, agora dirigimo-nos a Deus não como um escravo se dirige ao senhor de escravos, mas como um filho se dirige ao pai. De fato, Deus nos dá um testemunho interno oriundo do Espírito Santo que faz com que instintivamente chamemos Deus de nosso Pai. “Mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai.